A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

09 janeiro, 2008

Mais por Menos

"A correcção em baixa acontece, essencialmente, porque o Banco de Portugal, face ao que tinha previsto no boletim do Verão, espera agora um desempenho mais fraco do consumo privado e das exportações. No consumo das famílias, o banco estava à espera de uma ligeira aceleração para uma taxa de 1,4 por cento, mas agora corrigiu a sua previsão para um abrandamento de 1,2 para 1,1 por cento. A manutenção do aperto provocado pelos elevados níveis de endividamento, o crescimento lento do emprego e a queda da confiança dos consumidores durante os últimos meses são os motivos encontrados para esta maior precaução na previsão."

in ' Público '




Vítor Constâncio teria, provavelmente, dado um bom político, e o PS teria, também provavelmente, ficado em boas mãos. Ao deixar o caminho livre a António Guterres a troco do lugar que ocupa no BDP, acabou por se revelar um administrador medíocre, pago a peso de ouro com o dinheiro dos contribuintes, cujo desempenho se limita praticamente à divulgação de relatórios e boletins que raramente acertam nas suas previsões.

A do consumo das famílias, será mais uma a falhar. Quando era tão simples fazê-la acertar. Bastava-lhe mudar de sinal os números anunciados. De mais, para menos.


10 comentários:

MPS disse...

Caríssima PV

O último parágrafo fez-me rir às brava!

Isto dos sinais... parece que sim, que se esquecem da regra elementar que diz que, quando o termo é deslocado, se lhe muda o sinal. É o eterno problema da matemática. Coisa de somenos importância nos economistas. Afinal, eles não são matemáticos, não é verdade?

Só uma ressalva: Constâncio abriu a porta a Sampaio.

Um abraço

Porca da Vila disse...

Olá MPS,

A Sampaio sim, no imediato. Mas muito mais a Guterres, pois Sampaio pouco tardou em sair para a Câmara de Lisboa e depois para a presidência da República, deixando a porta 'escancarada' para Guterres, que mais tarde, em 2000, recompensou [eu sempre achei que 'tirou da frente'] Constâncio, colocando-o definitivamente na governação do BDP. Onde já tinha estado antes, em 85/86, se não me engano, também como Governador.

É aliás nestas 'jogadas', dignas do Scolari ou do Zé Mourinho, que Armando Vara apoia cegamente Guterres e Sampaio, e por isso sobe de forma meteórica no 'aparelho' do PS, chegando mesmo a Ministro deste país! [era anti-Constâncio, e suponho que ainda o será]

Um Xi Grande

Carminda Pinho disse...

Amiga,
segundo dizem as "más linguas" por aqui (Constâncio vive em Oeiras, ou viveu até há poucos anos)mas segundo dizem Constâncio, gosta mais de dinheiro do que da família toda e consta que a mulher, a Mª José, ainda é mais fundamentalista nesse aspecto do que ele. Portanto...

Beijinhos

Porca da Vila disse...

Carminda,

Não conhecia essa faceta do Constâncio. Agora vejo o que o levou a largar a política em favor da governação do BDP...

Um Xi Grande

Mocho-Real disse...

Muito bem, curto mas com bom fumeiro. À transmontana!

Quanto ao Sr. V.C. duvido que tivesse dado um bom político. O homem é mesmo aquilo...e só aquilo!

Um abraço ao pessoal da Braganzoníndia.

Laurentina disse...

Hummmm este cheira-me que vai com o saco não tarda...mas se calhar ate estou totalmente enganada!!!

O vil metal conspurca rapidamente as mãos do HOMEM.

Que porra!!!
Para onde quer que se olhe cheira logo ao merdelim , estes tipos são de mais!!!

beijão grande

Porca da Vila disse...

Jorge,

A ideia que eu tinha dele antes de se misturar com o dinheiro, era a de um tipo inteligente e ponderado, capaz de conduzir o PS para além de Mário Soares.

Pelos vistos, o dinheiro estragou-lhe as qualidades...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Laurentina,

Está quase tudo podre neste reino. E os piores são precisamente os que tinham a obrigação de ter as mãos mais limpas!

Veremos como acaba esta novela CGD/BCP.

Um Xi Grande

samuel disse...

O inefável Constâncio terá acidentalmente aberto portas a Guterres, a Sampaio, ao diabo a sete... mas na realidade "anda nisto" para abrir portas a si próprio. Então se forem portas de cofre...

Porca da Vila disse...

Olá Samuel,

Ainda há bons empregos...

Um Xi Grande

Retratos