A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

27 julho, 2008

Sorte Maldita...

"Uma avioneta que tinha descolado esta manhã de Bragança despenhou-se no mar, ao largo do cabo da Roca, com um único tripulante a bordo, adiantou a Força Aérea Portuguesa, depois de ter localizado destroços na zona.

Os destroços do aparelho, um bimotor Piper PA-34 do Aeroclube de Bragança, foram avistados ao princípio da tarde por duas aeronaves da Força Aérea a cerca de 200 milhas a oeste do Cabo da Roca.

O piloto, de nacionalidade portuguesa, tinha descolado de Bragança às 08h45 e cerca das 10h00 contactou os operadores de tráfego aéreo 'a informar que se encontrava indisposto', revelou a Força Aérea Portuguesa."

in ' Público '




O piloto era, infelizmente, um amigo meu de longa data. O Luís Carvalho, médico cirurgião dos melhores, onde quer que os haja. Tinha uma paixão. Enorme. Os aviões! Sobreviveu a duas quedas há uns anos atrás, a primeira em Coimbra, em que não era ele a pilotar, a segunda em Chaves. De ambas as vezes saiu, felizmente, sem um arranhão.

Desta vez foi-lhe madrasta, a maldita sorte. Não por falha do avião, não porque o Luís tenha cometido qualquer erro, mas porque o corpo o atraiçoou. Cobardemente! Pressentindo a morte com que lidava todos os dias, foi ainda capaz de apontar o avião para o mar, e morrer...

Voltaremos a encontrar-nos. Um dia qualquer...


12 comentários:

Kaotica disse...

Lamento. É sempre dolorosa a perda de um bom amigo!

Abraço solidário

MPS disse...

...e morrer, com o cuidado de tentar não matar ninguém. Assim se etende a orientação para o mar.

Que posso dizer-lhe mais, caríssima amiga?

Um abraço forte

Anônimo disse...

Também tive o previlégio de o conhecer e de ter sido atendido no seu consultório por mais de uma vez.
Ainda há muitos poucos dias falei com ele num assunto que nada tinha haver com doenças ou médicos.
E como diz a nossa querida Porca, voltaremos a encontrar-nos. Um dia qualquer ...

PASTOR TRANSMONTANO

Rui disse...

Existem actos altruístas que mereciam bem mais e melhor reflexão e reconhecimento por parte de todos nós.
Este do Dr. Lúis Carvalho é um desses.
A todos os que o perderam das suas vidas o meu lamento.
Rui V.

Meg disse...

Querida Amiga PV

Não te venho trazer palavras. Só, porque não sou capaz de mais, o meu silêncio. E a minha sincera solidariedade na dor.
Um grande XI para ti.

poesianopopular disse...

Amiga PV
Como não foi possível seguir o avião, se o piloto avisou do seu estado, de saúde, se nada mais pudesse ser feito pelo menos sabiam onda caiu, posso estar a ser injusto mas....
Amiga partilho da tua dor.

Porca da Vila disse...

Kaotica,

Obrigada. A vida tem destas surpresas...

Xi Grande

Porca da Vila disse...

MPS,

Apenas podemos desejar que o Luís encontre um bom lugar lá no sítio para onde foi, pois a probabilidade de que o corpo venha a ser recuperado é quase nula...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Pastor,

Claro que sim. O Luís apenas se nos adiantou...

Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Rui,

Mereciam também outra atitude por parte do Estado, que já se viu que não estará para perder muito tempo com as buscas.

Xi Grande

Porca da Vila disse...

Meg,

Obrigada. Perdeu-se um Braganzónio bom. A vida, infelizmente é assim.

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Manangão,

Acho que não quiseram saber. É uma vergonha, a condizer com o país que temos...

Xi Grande

Retratos