A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

05 novembro, 2007

Gaitas

"A gaita-de-foles, um peculiar e arcaico instrumento, está em destaque desde ontem e até domingo, no Primeiro Congresso Internacional da Gaita-de-Foles Mirandesa, a decorrer em Miranda do Douro e Vimioso.

Muito pouco se sabe sobre a origem da palavra 'gaita'. No entanto, pensa-se que deriva da palavra germânica 'Gaits' [cabra], animal cuja pele serve para fazer o fole do instrumento. Quanto à zona, pensa-se que terá surgido na Mesopotâmia, onde havia muita matéria-prima e onde o instrumento proliferou na civilização egípcia. A difusão terá sido feita pelo Império Romano, que a terá utilizado em marchas e momentos de lazer.

A gaita-de-foles de Trás-os-Montes, também conhecida como Transmontana ou Mirandesa, é uma construção artesanal semelhante às de Sanabria, Aliste ou Zamora, zonas fronteiriças de Espanha. Ainda assim, desenvolveu características muito próprias, como um ponteiro de furação larga, com digitação aberta, preso no pescoço de um fole de cabra, assim como um ronco de grandes dimensões, preso na pata direita e um assoprete, preso na pata esquerda. A sua tonalidade pode oscilar entre Si, Si bemol e Lá, dependendo dos artesãos, com uma escala próxima da flauta pastoril, o que a torna mais grave."


in ' Público '



A propósito deste evento e da gaita mirandesa, que como as restantes gaitas-de-foles da Península é normalmente associada à cultura Celta, lembrei-me de algo bem curioso que tinha lido há algum tempo atrás, relacionado com a origem, não da gaita-de-foles, mas dos próprios Celtas.

Publicava então o 'Independent':


"A team from Oxford University has discovered that the Celts, Britain's indigenous people, are descended from a tribe of Iberian fishermen who crossed the Bay of Biscay 6,000 years ago. DNA analysis reveals they have an almost identical genetic 'fingerprint' to the inhabitants of coastal regions of Spain, whose own ancestors migrated north between 4.000 and 5.000BC."



Daqui se conclui serem afinal os Celtas, que posteriormente se juntaram aos Iberos para dar origem aos Celtiberos, descendentes de 'emigrantes' Iberos, mais tarde regressados às origens depois de terem 'colonizado' geneticamente as ilhas britânicas durante alguns milhares de anos!...

E serem, por tal facto, os ingleses descendentes de nós!... E não serem afinal as 'highland pipe' e as 'small pipe' de tão reais paragens, mais do que um sucedâneo da nossa gaita mirandesa!...


27 comentários:

Rendadebilros disse...

Tinha visto esta notícia na televisão e, claro, é sempre bom aprender algo mais sobre o assunto... É só festa...por aí!

Boa semana.

Meg disse...

Olha o que andávamos a fazer há tantos milhares de anos!!!
E agora andamos de canga, ora bolas!
Tenho de ler isto melhor para mostrar a uns camones que eu cá sei!

Um xi pa ti

Um dia destes, que ando em "remodelações", se não deitar a casa abaixo, lá estará o Tortulhas.

Rui disse...

Apenas me apeteceria dizer dizer: "gaita"!
No entanto, gosto demasiado do seu som para não me congratular com a ideia de estimular o seu ensino e divulgação.

Beijinhos!

Post scriptum: Cuidado com as nossas gentes. Que bem espalhamos os genes!

Porca da Vila disse...

Olá Renda,

A festa é dos Mirandeses que, embora lentamente, estão a conseguir manter vivas as suas tradições.

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Meg,

Eu, cá para nós, não fiquei convencida! É que as cores não batem certas! Onde é que já se viu um Celta com cabelo negro e olhos castanhos?!...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Rui,

Para nos 'espalharmos' fomos sempre um povo notável. Aprender com os outros é que já não é com a gente!

Um Xi Grande

MPS disse...

Cara PV

A genética tem-se revelado uma caixinha de surpresas! Vai ver, é por isso que os ingleses sempre dispuseram de nós como se herança deles fôssemos...

Mas o que me está a deixar curiosa é a autoria da ilustração: por mais voltas que dê não consigo associar esse gaiteiro a um nome que me seja familiar.

Um abraço

J.P.G. disse...

Ora muito bem!

Depois de ter lido e relido toda esta informação sobre as gaitas de foles e de ter adorado o quadro que colocaste, uma conclusão prosaica retirei: a de que afinal, afinal, A GAITA É NOSSA! VIVA A GAITA DA IBÉRIA!

Um abraço braganzoníndio.

Porca da Vila disse...

Olá MPS,

Lamento, mas não posso dar-lhe grande ajuda! A imagem, que penso ter sido feita de propósito para o evento, foi retirada do folheto de um Encontro de Gaiteiros que se realiza na zona de Pontevedra, que pode ver aqui:

[http://folque.com/cmn-wp/?p=781]

Não vi o autor referido em parte nenhuma do folheto. E por muito que ampliasse a imagem, também não consegui decifrar a assinatura.

Quanto aos ingleses, olhe que não faltou muito para ficarem cá de vez!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Jorge,

AhAh! A gaita deve ser nossa, como dizes!

Não vou é nessa de nós, Celtiberos, descendermos dos Iberos mais os Celtas que por sua vez descendem dos Iberos! Que confusão!

Então os Iberos abalam daqui com olhos castanhos e cabelo negro, vão tocar umas gaitadas lá para as ilhas, e quando regressam, Celtas feitos, aparecem de olhos azuis e cabelo louro?! Não! Não me convencem! Ali houve 'gato'!...

Um Xi Grande

Carminda Pinho disse...

Olha que grande gaita! Afinal a gaita deles sempre foi nossa, ahahahah!!!
Li há poucos dias no jornal também a notícia.

Beijinhos

Porca da Vila disse...

Olá Carminda,

Tudo indica que sim! E já vai por aqui uma confusão dos diabos por causa de tanta gaita!

Nunca tinha pensado nisso, mas agora vejo que aquela coisa do 'macho latino' afinal já vem de muito longe e é bem capaz de ser verdade!

Um Xi Grande

Marreta disse...

Esta agora é que me matou!
Afinal sempre é verdade que as nossas gaitas são as maiores!

Gaitadas, ups, digo Saudações do Marreta.

Meg disse...

Afinal em que ficamos? Já chegaste a alguma conclusão?
A mensagem foi recebida com muita honra, mas eu já tinha entrado mesmo eheheheh!!!

Só não sei escrever em mirandês.
Um dia, quem sabe!

Um xi pa ti!!

Porca da Vila disse...

Olá Marreta,

Se são as maiores, não sei, mas que chegaram a Inglaterra, chegaram!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Meg,

Que fomos tocar umas gaitadas lá para as ilhas, não há dúvidas, que as gaitas ainda hoje lá estão a prová-lo!

Agora virem para casa de olhos azuis e cabelos louros é que me deixa cá a pensar... É que os [e as] Vikings também por lá andaram!...

Um Xi Grande

Outonodesconhecido disse...

Gosto muito do som da gaita de foles. gostei do teu post

sveronica disse...

A gaita aqui é muito usada por alguns artistas. É lindo o som!

Beijinhos

Porca da Vila disse...

Olá 'OutonoDesconhecido',

Antigamente costumavam vir aqui actuar, por altura das festas, no Verão, os Pauliteiros de Miranda. A primeira vez que as vi, pequena ainda, lembro-me de ter ficado espantada a olhar para as gaitas-de-foles, não conseguindo perceber como é que nunca paravam de tocar quando o gaiteiro deixava de assoprar! Mais tarde entendi porque se chamavam 'de-foles'! Têm realmente um som fantástico!

Um Xi Grande
[Grata pela visita, que suponho ser a primeira. Já fui espreitar os teus 'blogs'. Gostei, especialmente do 'JasmimDoMeuQuintal. Parabéns.]

Porca da Vila disse...

Olá Verónica,

Claro que sim! Ou não tivessem andado também por aí os Iberos! EhEh!

Um Xi Grande

Arrebenta disse...

Vamos a uma coisa que não precisa de interpretações de gaitas de fole.
Você sabe que o Concurso de Titulares da Sinistra Lurdes Rodrigues colocou gente com duvidosa habilitação, equivalente a um 12º Ano mal tirado, no Topo da Carreira e a custar 2000 e tal €/mês?...
Pois leia:

http://asvicentinasdebraganza.blogspot.com/2007/11/mestres-mestrandos-mestranos-amestrados.html#links

Porca da Vila disse...

Olá Arrebenta,

Há quanto tempo!... Pois deixemos as gaitas em paz e vamos lá ver o que é que a Marilú andou a tramar desta vez!

Um Xi Grande

Sofia Bochmann disse...

Excelente!

Finalmente alguém dá "som" aos instrumentos e cultura "da terra".

Parabéns, Porca!

Meg disse...

Ai, rica Porca, ainda as Gaitas!!!
Ainda bem... pensei que estava em falta.
Provoquei (sou TOTÓ) lá em casa um "tsunami", que não me tem deixado pôr um pé fora da porta.

Um xi pa ti

Meg disse...

Ah... mas já estou de casa nova, que, isto de ter "AMIGOS" é um luxo que quero merecer.

Logo me tens de volta, agora que está tudo em ordem, com Tortulhas e tudo...

Mais um Xi grande

Porca da Vila disse...

Olá Sofia,

Obrigada. O mérito é das gentes de Miranda, que tão bem os têm sabido preservar.

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Meg,

Como diria a 'tie Outília', nem tudo são 'zgrácias'! Já fui ver a tua casa depois das 'obras', e acho que valeu a pena! Ficou bem bonita!

Um Xi Grande

Retratos