A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

13 novembro, 2007

Caprichos



Desculpar-me-ão todos os que estranharam a minha ausência nos últimos dias, mas motivos de força maior levaram-me lá para os lados da Tailândia, onde tudo tem o seu tempo e nem sempre as coisas acontecem à velocidade a que por cá estamos habituados.

E onde é muito fácil, como em todas as grandes cidades deste mundo cada vez mais doido em que vivemos, perder o avião por não conseguirmos chegar atempadamente ao aeroporto. Precisamente o que me aconteceu por causa de uma inesperada greve dos taxistas lá do sítio. O que me obrigou, no dia seguinte, a recorrer aos serviços de um amabilíssimo fura-greves, que de greves, pelo que me contou, nunca tinha sequer ouvido falar.

Como lembrança, aqui fica a fotografia do... digamos... simpático veículo em que me fiz transportar. Lento sim, que tive de sair para o aeroporto com quase meio dia de antecedência, mas incrivelmente espaçoso, fiável, seguro quanto baste, pouco ou nada poluente, dependendo dos naturais caprichos do 'motor', e perfeitamente imune às contrariedades relatadas...


12 comentários:

MPS disse...

Se esteve em Sião, tem as faltas bem justificadas...

Sim, senhor, aquele transporte é uma adaptação feliz do riquexó aos tempos modernos! E a respeitar o convénio de Quioto! Quem disse que o desenrasca é exclusivo dos portugueses? Ou será herança que por lá deixámos? Às tantas...

Um abraço

Rendadebilros disse...

Não consegui "ler" a imagem a qual, pelo texto que a acompanha deve ser importante... o relato ele próprio é importantíssimo por revelar, à boa maneira da Braganzónia com aquela certa dose de humor, que o tempo tem realmente outro tempo , conforme o lugar onde nos encontramos, como se tivéssemos entrado em outro universo paralelo ... Vamos saber algo mais da experiência? Fotos???

Beijos.

Meg disse...

E conseguiste chegar cá, sã e salva, mas devagarinho.

Engenho não lhes falta, pois não?

Estás perdoada!

Moriae disse...

Querida amiga, notou-se a tua ausência mas, senti que estava tudo bem :).

Diz-me, não podemos ver mais fotos? Sabes, esse taxi, poderia ser implementado cá.

Com 'wireless' para ser moderno e mão de obra igualmente barata, na mesma desconhecedora de greves e seu significado. acho mesmo que abdicarei do projecto da venda de castanhas na Praça da República em prole desse movimento não poluente e na mesma servidor do público.

[tinha mas era saudades ;)]

Porca da Vila disse...

Olá MPS,

Achei o 'veículo' em si uma delícia! Mas havia mais! Como a foto original era um pouco escura, não reparei logo no condutor, que eu supunha ser um dos personagens que seguem dentro do habitáculo! Mas como havia uma mancha mais clara logo atrás da vaca, que me intrigava, tratei de aclarar a imagem no Photoshop e foi assim que o descobri 'encafuado' no compartimento do motor!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Renda,

Pena que não vejas a imagem, porque é a única que tenho.

[Quando a página não carregar em condições, tenta fazer 'View/Reload Page'. Não sei como vem isto nos 'browsers' em Português. De qualquer forma vou enviar-ta por mail.]

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Meg,

Devagar, como diz 'o outro', se vai ao longe. E este é um bom exemplo disso!

[Não sei é como farão os passageiros para entrar e sair desta 'geringonça'!]

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Moriae,

O tempo tem sido escasso nestes últimos dias. Trabalho, família, imaginas como é!

Quanto ao veículo, de que só tenho esta foto, achei-o engraçadíssimo e muito bem pensado. Repara que o condutor vai ali bem abrigado da chuva e até tem a 'chauffage' logo ali à sua frente! Biológica, ainda por cima! EhEh!

Um Xi Grande

Ka disse...

Cara Porca,

Loool É bom passar por aqui de manhã e rir logo um bocado. Também fiquei intrigada a pensar como se entra e sai dali mas pronto...isso são outros pormenores...lol

Espero que estejas bem

Um xi da ka (o nosso treinador anda a brincar um bocadinho..aiai)

Porca da Vila disse...

Olá Ka,

Aquilo deve funcionar com uma escada do tipo das dos aviões... Ou então haverá uns cais de embarque como os dos comboios... Digo eu!

Um Xi Grande
[acho que andam a brincar todos...]

J.P.G. disse...

Magnífico transporte de look futurista.

ABRAÇO.

Porca da Vila disse...

Olá Jorge,

'Look', e também 'Feel'... se a vaca estiver com os 'azeites'!

Um Xi Grande

Retratos