A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

02 fevereiro, 2008

Engenheiro de Café

"José Sócrates assinou entre 1980 e 1990 dezenas de projectos de arquitectura e engenharia de que não era autor, depois aprovados pela Câmara da Guarda.

O chefe do Governo garantiu que todos os projectos em causa eram seus e da sua responsabilidade. 'Todos os projectos que assinei durante a década de 80 são da minha autoria e da minha responsabilidade', afirmou aos jornalistas no Palácio de Belém."

in ' Público '




Assim se chamava há uns anos atrás a certos 'licenciados' cujas vidas ainda hoje se governam [bem] assinando trabalhos a desenhadores, técnicos das Câmaras Municipais, mestres de obras e outros parelhos, que por não estarem habilitados para o fazer, ou por estarem legalmente impedidos de o fazer, a eles recorrem frequentemente para esse efeito.

O 'escritório' é a mesa de um qualquer Café, onde a troco de algumas dezenas de contos sem recibo, se encontram disponíveis para assinar meia dúzia de folhas sem sequer passarem os olhos pelos desenhos que contêm. A actividade é altamente rentável, pois não há despesas nem impostos a pagar. Dinheiro apenas, a receber!...

Dá-lhes cobertura o famigerado Decreto-Lei nº 73/73, diploma arcaico e absurdo que, datando já do final do Estado Novo, foi sendo estranhamente mantido em vigor, para conveniência de muita gente [pelo mesmo regime democrático que fez questão de eliminar todo e qualquer sinal daqueles tempos] onde ocupa posição de relevo a classe dos Engenheiros Técnicos, que assim se vê [ainda hoje] habilitada a subscrever e elaborar projectos de Arquitectura e de Engenharia, apesar de serem reconhecidamente os menos habilitados para o fazer.

Nessa classe de Engenheiros, onde pululam muitos dos tais que se governam a assinar 'de favor' o trabalho de outros, está o senhor José Sócrates. Sabia-se ter ele trabalhado numa Câmara Municipal. Sabia-se não ser ele Engenheiro Civil. Não se sabia era ter sido ele Engenheiro de Café...


29 comentários:

Meg disse...

Andava eu por aqui, amiga Porca, sorumbática, a pensar em coisas
menos alegres, e deparo com o teu post fresquinho.
É verdade... como nós não sabemos das tais habilitações do nosso PM!
E apesar do desmentido, porque é que nós não acreditamos?
Vou pensar melhor e volto quando me passar esta espécie de tristeza, este sentimento de orfandade.

Um grande XI para ti

Porca da Vila disse...

Olá Meg,

Isto é que foi um comentário rápido! Estava eu ainda a corrigir uma gralha que o texto tinha, e zás! Já tu tinhas passado por cá!

Pois é verdade, o senhor 'Engeinheiro' não pára de nos surpreender... E consta que o Público já tem mais 'material' em armazém! Devem estar à espera de 2009...

Um Xi Grande

Anônimo disse...

Ora aí está um assunto que gostariamos que a Braganzónia aprofundasse mais se fosse possível.

Se fosse possível criar uma time-line com os acontecimentos/eventos/legislação sobre este assunto, numa linguagem que os leigos percebam, era capaz de se tornar muito útil sob o ponto de vista do interesse dos cidadãos.

Um abraço!

MPS disse...

Caríssima PV

Infelizmente, são coisas com as quais convivemos todos os dias e, creio, a indignação das pessoas seria menor se José Sócrates assumisse o facto.

Seria interessante que se vasculhasse também a câmara da Covilhã, a ver se se encontravam projectos assinados pelo amigo da Guarda, "manuscritos"(?) pelo punho do actual Primeiro Ministro!
*****
É verdade que há muitos arquitectos a fazerem exactamente a mesma coisa: apõem a assinatura em bonecos de que não traçaram linha, em troca de centenas de contos. Se, porventura, foram eles a traçar as linhas, o valor ascende aos milhares. Com preços desses, é grande a tendência para fugir, por parte de quem precisa e tem que pagar. Os senhores arquitectos fariam grande favor ao País se diminuíssem os preços.

Um abraço

Mocho-Real disse...

Confirmo em absoluto as tuas palavras. Eu própprio, conheci há uns bons 30 anos um desses engenheiros, que era agente técnico. Trabalhava na Câmara de Lisboa e todo o café de bairro, aqui em Lisboa, à Praça de Espanha, o tratava por Senhor Engenheiro.
Quem era mesmo Engenheiro era o filho!

Aliás, o mesmo se passou durante montes de anos com os protésicos dentários, que tinham cadeira de dentista. Num desses, a que o meu pai ia por causa da prótese, fui eu um dia levado por ele. Estava aflito de um dente e lá me resolvi. Teria os meus 18 anos... Só te digo que arranquei da cadeira do magarefe com toalha e tudo que larguei na rua... imagina a bela anestesia que me deu!

Neste país essas coisas frequentes, ou eram, pelo menos.
O Pres.da Câmara da Covilhã, ouvi eu na Rádio, foi bem elucidativo e convincente. Recebia imensos projectos assinados pelo senhor Pinto de Sousa, mas sabia que muitos não eram de sua autoria, mas sim de um amigo de curso mais adiantado que ele.
Um belo exemplo para o país, sem dúvida!...

Um abraço.

Porca da Vila disse...

Anónimo,

O Decreto-Lei nº 73/73 [ www.diramb.gov.pt/data/basedoc/TXT_LN_4834_1_0001.htm ], no parágrafo 2 do Artº 3º, estipula que: "Os projectos de edifícios correntes, e sem exigências especiais, poderão ser elaborados, isoladamente, por arquitectos, engenheiros civis ou agentes técnicos de engenharia civil e de minas."

É aqui que cabem todos os Sócrates deste país. Na altura chamavam-se Agentes Técnicos. Depois de Abril de 74, passaram a designar-se por Engenheiros Técnicos.

Os jornalistas do 'Público' tinham poupado uma data de trabalho se tivessem procurado directamente no INE. Todos os anos as Câmaras Municipais procedem ao envio, para o INE e para as Finanças, dos mapas contendo a listagem dos técnicos inscritos, os projectos que cada um subscreveu, e os valores orçamentados para as obras correspondentes. É com base nesses mapas aliás, que as Finanças detectam as fugas à passagem de recibos pelos técnicos.

Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá MPS,

Embora poucos, porque entre eles há uns certos pruridos um pouco complicados e não são fáceis as assinaturas de favor, também há Arquitectos de Café. Não há no entanto qualquer termo de comparação para a quantidade de Engenheiros Civis e Engenheiros Técnicos que se prestam a tal serviço.

Era capaz de lhe dar razão se todos os Arquitectos se chamassem Siza, Taveira, Salgado, Calatrava, Gehry ou Souto Moura, para nomear apenas alguns. Os outros, os que trabalham na província e a maioria dos que estão nas cidades grandes, esses, coitados! Para sobreviverem, são obrigados a trabalhar aos preços dos tais Engenheiros de Café!...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Jorge,

Para quem estiver numa Câmara de pequena dimensão a apreciar ou a decidir sobre projectos de obras, basta olhar para os desenhos que tem na frente para saber quem os desenhou efectivamente. Porque toda a gente se conhece. E é frequente ver vários desenhos, todos do desenhador 'A', uns num processo assinado pelo Eng. 'B', outros noutro processo assinado pelo Eng. 'C', e assim por diante!

Olha que essa do teu 'dentista' é bem mais grave do que a história dos projectos do senhor Sócrates! EhEh!

Um Xi Grande
[E os 'Blogs'?!...]

samuel disse...

Olá

Está então explicada aquela "ciguêra" pelas corridinhas...
São muitos anos de muitos cafés ainda a fazerem efeito.

Abreijos.

Menina do Rio disse...

Querida, passo pra te deixar um beijo

Porca da Vila disse...

Olá Samuel,

Apesar de há muito saber que o senhor Sócrates não é flor que se cheire, nunca o imaginei nestes 'esquemas' enquanto andou lá pela Câmara! Para mim foi novidade!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Menina do Rio,

Outro para ti.

Um Xi Grande

xico cintra disse...

Bom dia.

Sendo eu praticamente analfabeto em matéria de política, não posso deixar de acreditar que muitos projectos eram assinados por quem estava oficialmente autorizado a fazê-lo e não por quem realmente os elaborava. Era mesmo uma prática corrente, acho.

Receba um abraço, por favor.
Xico

Anônimo disse...

Segundo o jornal "O Crime" José Sócrates declarou ter ouferido 6000 euros como trabalhador independente em 2004.

Lembremos só a sua declaração: "Desde 1989 que nunca tive outra remuneração que não fosse da actividade política, conforme se pode verificar pela declaração de rendimentos que entreguei no Tribunal Constitucional".

Segundo ainda o jornal "O Crime", José Sócrates também não terá entregue a declaração referente a 2003 (altura em que ainda usava o título de "Engenheiro", tendo mesmo declarado ao Tribunal Constitucional que era essa a sua "profissão principal"), o que poderá "implicar violação aos deveres inerentes aos titulares de cargos políticos".

Porca da Vila disse...

Olá 'Xico Cintra',

Oficialmente autorizado, de mestre de obras para cima, toda a gente está autorizada a assinar projectos. O que não fica bem, do ponto de vista moral, é alguém dar o nome aos 'filhos' dos outros...

Xi Grande

Porca da Vila disse...

Anónimo,

Essa é outra questão, bem mais grave, a meu ver. É que o senhor Sócrates declara rendimentos da actividade privada numa altura em que simultaneamente recebe do Estado um subsídio de exclusividade...

Xi Grande

rendadebilros disse...

E ciomo muita gente faz isso, afinal a coberto desse decreto aí...já parece tudo muito correcto... ai a nossa vida!!!E as "casitas" eram muito "jeitosas"!!!heheheeh
Bom fim de semana.
Beijos.

Anônimo disse...

Amiga PV,

Vinha ver se "apanhava" outro post à nascença, mas pelos vistos vim adiantada. Será da "malvada constipação? Espero que não.
Mas não faz mal, porque nunca é demais reler estas inginharias...
Eu volto mais logo

Um xi pa ti


PS: Não ando fugida, são maleitas, mas tudo se vai compondo.

Meg disse...

Outra vez anónimo, não!
Aqui há gato... já é a segunda vez que me chamam anónimo aqui!
Vamos lá ver o que se passa, mas eu sou a Meg

Porca da Vila disse...

Olá Renda,

Parece que sim, que as casas são bem 'pimponas'! Assim... tipo 'maison', estás a ver, não estás?!... EhEh! Ainda não vi fotografias de nenhuma delas, mas pela 'gestação' que tiveram, imagino as obras-primas que não serão...

Agora estou cá eu a pensar... Tu é que podias, como estás nessa zona, dar-nos a conhecer tão ilustre obra! Pensa nisso!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Meganónima,

A constipação já vai quase passada. O problema é que agora perdi o [pouco] ritmo que trazia. A ver se embalo outra vez no fim-de-semana.

Tens razão. O tempo tudo vai curando.

Um Xi Grande, e bom FdS.

Chanesco disse...

Minha cara P. DA VILA

Na terra do bom viver faz-se o que se vê fazer.

Sem querer defender o nosso 1º, a verdade é que os Xicos espertos sempre cirandaram, e continuam, pelos corredores do poder.
Decididamente, a "chique espertice”, tal como no tempo da outra senhora, continua a passear impunemente pelas entrelinhas da lei.

Abraço Raiano

MPS disse...

Caríssima PV

Essa malina não há meio de se ir embora?

Por aqui, os ares já se perfumam de mimosas. Tudo tão cedo!

Um abraço

rendadebilros disse...

Pois eu acho que já as vi, mas já nem sei bem onde... heheheh se eu as encontrar , digo qualquer coisa...

Olha, se estiveres pelos ajustes, passa lá pela CONVERSA e vê se te apetece o desafio... se não te apetcer, não tem problema...

Bom fim de semana. Beijos.

Porca da Vila disse...

Olá Chanesco,

Episódios como este do Zé Sócrates, apesar de ética e moralmente condenáveis, são normais, infelizmente, em qualquer Câmara deste país. Nas Câmaras de maior dimensão, como Lisboa ou Porto, é que a coisa é bem mais grave... Aí, para que um processo não demore quatro ou cinco anos a ser despachado e provavelmente chumbado, há que 'untar' as mãos a uma data de gente, desde fiscais a funcionários menores, 'correios' dos que vão informar e decidir...

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá MPS,

Está complicado por aqui. No fim-de-semana passado nevou em Montesinho e na Sanábria, Durante a semana derreteu quase tudo, e hoje de tarde esteve calor como se fosse Verão. O corpo tarda em acompanhar estas variações tontas e quando a gente pensa que já não há perigo... zás! Lá vem a constipação bater-nos à porta!

Um Xi Grande

Porca da Vila disse...

Olá Renda,

Fico à espera de uma boas fotos dessas obras-primas!...

Um Xi Grande
[Estou pelos ajustes, sim, e já vou ver o que me espera...]

Rui disse...

Realmente o "Inginheiro" tem o inverso do toque de Midas e não tem vergonha alguma.
Assusta pensar que há por aí tantos como ele, felizmente nem todos chegam a primeiro-ministro.
Bj.
Rui V.

Porca da Vila disse...

Olá Rui,

Há muitos, efectivamente. Nunca me tinha passado pela cabeça é que ele, pelo percurso político que trazia, tivesse também estado envolvido em 'esquemas' destes!...

Mas, como diria o 'outro', no melhor pano cai a nódoa! E esta é bem difícil de sair...

Um Xi Grande

Retratos