A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

10 maio, 2007

Chumbo 9


"A imagem de José Sócrates e do Governo não escapou ilesa à polémica em torno da sua licenciatura em Engenharia Civil na Universidade Independente. De acordo com uma sondagem CM/Aximage, os portugueses não só estão desiludidos com o Governo como atribuíram uma nota negativa ao primeiro-ministro. Numa escala de 0 a 20, José Sócrates não mereceu mais do que um 9.

Desde que rebentou a polémica sobre o curso tirado por José Sócrates na Independente no passado mês de Março o índice de popularidade do primeiro-ministro tem vindo a cair significativamente. Logo em Março, a nota de Sócrates passou de 10,2 para 9,8, e em Abril caiu para 9,4. Este mês voltou a baixar para 9."



Isto, noutros tempos, equivalia a um 'Medíocre' e dava direito a levar um chumbo!

Que será, a manter-se a actual orientação política do Governo, o que Sócrates vai levar daqui a dois anos...

6 comentários:

Rendadebilros disse...

O problema é que as pessoas têm a memória curta e , quando chegar o Verão, o calor e a praia varre tudo ...

Beijos.

Porca da Vila disse...

Olá RendaDeBilros,

Não sei se varrerá. As coisas estão a ficar demasiado feias e nota-se, pelo menos por aqui, que há cada vez mais descontentamento e desilusão entre as pessoas.

Que tenhas um bom fim-de-semana.

Um Xi da Porca

Ka disse...

Cara Porca,

Mais uma vez estou totalmente de acordo contigo. No entant o triste é termos de levar com ele mais 2 anos. O único benefício que vejo nisso é o facto de não se gastarem mais não sei quantos milhões em camapnhas eleitorais.1

Um xi da ka

PS - o meme já está feito

Porca da Vila disse...

Olá Ka,

Pois... mais dois anos de 'engenheirias'!

Já vou ver o 'meme'.

Um Xi da Porca

JPG disse...

OS DEUSES E OS DEMÓNIOS TE OUÇAM!

um abraço badalado

Porca da Vila disse...

Jorge,

Hão-de ouvir! São cada vez mais os que querem a mudança.

Um Xi da Porca

Retratos