A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

23 abril, 2007

Ó parolo!... Ólh'ó 'abião'...


"Os Serviços de Atendimento Permanente (SAP) dos Centros de Saúde do distrito de Bragança vão continuar a funcionar no período nocturno, com um enfermeiro em serviço permanente e um médico de prevenção, que será chamado, sempre que necessário, via telefone.

Este regime de excepção, que entrará em funcionamento no próximo dia 27, foi anunciado pelo ministro da Saúde, Correia de Campos, na passada sexta-feira, em Bragança, durante a cerimónia de assinatura de protocolos entre a Administração Regional de Saúde do Norte (ARSN) e os municípios nordestinos.

O distrito vai ser dotado de um helicóptero, que ficará estacionado em Macedo de Cavaleiros, e de mais três ambulâncias de emergência Pré-Hospitalar, distribuídas por Macedo, Miranda do Douro e Torre de Moncorvo ou Freixo de Espada à Cinta.

Quando estiverem reunidas todas as condições, os médicos de prevenção irão passar a fazer serviço nas urgências básicas, encerrando definitivamente o atendimento nocturno nos Centros de Saúde.

Questionado sobre os problemas das acessibilidades que afectam o distrito, o ministro da Saúde afirma que o helicóptero e as ambulâncias serão suficientes para garantir o transporte rápido dos utentes para as urgências, mesmo com condições adversas que impeçam a operacionalidade do meio aéreo.

O encerramento dos SAP, a longo prazo, não agrada à maioria dos autarcas do distrito, que disseram mesmo que foram 'pressionados' a assinar o protocolo, sob pena de verem encerrados os serviços de saúde nocturnos."



Para além de achar que uma Autarquia, qualquer que ela seja, por tal não fazer de todo parte das suas competências e, por isso, não ter rigorosamente nada que se imiscuir nas políticas de Saúde do Governo central, quero aqui declarar que não mandatei, pelo voto ou por qualquer outra forma, o autarca do meu Concelho, para malbaratar o seu tempo com a [patética] assinatura de protocolos de espécie nenhuma com essa espécie de camelo, de seu nome Correia de Campos, Ministro da Saúde deste [ainda] país que, desta forma, deitando areia para os olhos do Povo, vai levando a água ao seu moinho.

Ou seja, ao inevitável e conveniente [ele saberá para quem] esvaziamento das poucas valências na área da Saúde que, milagrosamente, nesta área geográfica ainda vão restando.

E quando alguém avistar o tal helicóptero, as tais ambulâncias 'rápidas' e as tais melhorias na rede viária prometidas, por favor, avise... Porque eu duvido que algum dia aconteçam e apareçam por cá!

Senhor Ministro, fosse eu autarca, e o senhor teria ido para Lisboa de 'patins' calçados... Porque felizmente, coisa a que lamentavelmente o 'meu autarca' não consegue chegar, Espanha está mesmo aqui ao lado.

E lá não há listas de espera, nem taxas moderadoras... Nem camelos...

6 comentários:

Meg disse...

Tive aorinha mesmo uma ideia, tenho de aproveitar antes que fuja...
Já que estão a fechar tudo, não será melhor pegarmos nas trouxas e irmos todos para Espanha.
Eles, menos de 20 talvez, faziam disto, a que chamam país, um "risort" de luxo, só acessível a políticos, jogadores de futebol, tipos da construção civil, autarcas, alguns engenheiros e afins.Bastava-lhes a UNI...
Olha, tiravam-nos tudo mas pelo menos tinha-se país para nascer...
Isto foi uma ideia ou uma alucinação?

Rendadebilros disse...

Tens razão em estar zangada e azeda... como já dizia o meu avô "pobre de quem precisa"...
Andam estes "senhores" a passear por todas as Tvs cheios de risinhos cínicos...
Boa semana... e acalma-te que ainda te dá uma coisa!... e a ambulância pode não chegar a tempo. Cuida-te!!!

JPG disse...

A vergonha continua!

O país em saldo, arrastando-se na lama...

A História julgará estes verdugos!

nem tenho mais nada para dizer...

um abraço.

Porca da Vila disse...

Meg,

Espanha, neste aspecto é bastante melhor. Mas lá também têm os seus problemas, alguns dos quais eu não gostaria de ter por cá.

Quanto a 'isto' vir a ser uma grande quintarola só de alguns, talvez não andes longe da verdade... O interior já quase o é agora!

Um Xi da Porca

Porca da Vila disse...

Rendadebilros,

Já não será a mim e à minha geração que as asneiras desta canalhada irão afectar por aí além. Tenho medo é daquilo que [não] vão encontrar os mais novos. Aqueles que, no interior, já são agora obrigados a ir nascer a Espanha...

Um Xi da Porca

Porca da Vila disse...

Jorge,

Vieram aqui acenar ao Povo com um 'abião' [neste caso um helicóptero] e uns metros de estrada, que duvido que alguém chegue a ver.

E, lamentavelmente, há por aqui ainda muito patego a bater ingenuamente palmas a esta cambada que aos poucos vai retirando condições de vida minimamente dignas ao interior do país.

Um Xi da Porca

Retratos