A Reserva

Encravada entre a província portuguesa de Trás-os-Montes e a província espanhola de Zamora [Castilla y León], a região da Braganzónia [Braganza+Amazónia] é considerada, como sempre foi pelo Poder [monárquico ou republicano] de Lisboa, uma autêntica Reserva de Índios, reconhecida por qualquer viajante esclarecido como das mais atrasadas da Europa.

Atrasada, abandonada, desprezada, quase renegada e indesejada!

E não poucas vezes espoliada do pouco que já lhe resta para além da genica, do orgulho e da dignidade dos que nela vão sendo ignorados!

Para os Senhores do Poder, a Braganzónia foi sempre um empecilho que apenas dá despesa, poucos impostos e quase nenhuns votos!

Que os interessou apenas enquanto foi preciso recrutar mancebos fortalhudos, habituados à fome e à porrada, para mandar às guerras de África!

A reserva abrange actualmente 106 tribos, agrupadas em 49 zonas de caça dispersas por uma área de 1.173 quilómetros quadrados.

Eram 34.752 os índios que ocupavam esta vasta área em 2001 [trinta por quilómetro quadrado].

Algumas dessas tribos, as da metade Norte da reserva, desde a fronteira espanhola até aos velhos trilhos que ligam Braganza [a tribo maior] à zona Leste de Vinhais [reserva irmã da Braganzónia] e à zona Oeste de Alcañices [reserva espanhola pouco menos desprezada por Madrid], foram há uns anos atrás, sem para tal serem ouvidas e contra-vontade, integradas no Parque Natural de Montesinho.

Transformando-lhes o quotidiano num verdadeiro inferno porque, entre outras coisas, lhes não é sequer permitido cortar livremente a lenha de que são donos para manter o fogo que lhes aquece o corpo durante o Inverno. Que na Braganzónia é rigoroso, faz doer as unhas e gelar os rios!

Agora, cada índio tem que [muito respeitosamente] solicitar aos Senhores do Parque o especial favor de uma autorização para cortar meia dúzia de paus que mal chegam para os gatos tirarem o frio do lombo!

Melhor fora que o tal Poder os abandonasse de vez à sua sorte para livremente poderem decidir o futuro!

16 março, 2007

Erro de Contas


"O 'teste do pezinho', feito a quase todos os bebés que nascem em Portugal, chegou no ano passado a 105.138 recém-nascidos. Em 2005 tinha havido 108.710 a ser rastreados para despistar doenças graves. O presidente da Comissão Nacional do Diagnóstico Precoce, Rui Vaz Osório, só vê uma explicação para esta diminuição, de um ano para o outro, de 3580 amostras de sangue estudadas: 'Nasceram muito menos crianças. São más notícias'.

O Instituto Nacional de Estatística [INE] ainda não dispõe do número de nados-vivos, em todo o país, ao longo de 2006. Mas Vaz Osório não tem dúvidas de que 'estamos outra vez em baixa na natalidade'.

O número de fichas recebidas no ano passado é tão baixo como já não se via desde meados da década de 1990 - quando, em 1995, não nasceram mais que 107.184 bebés e o 'teste do pezinho', então com uma cobertura a rondar os 98 por cento, abrangeu 104.963.

Desde o início da década de 1980 que o nível de substituição de gerações [2,1 crianças por mulher] deixou de ser assegurado em Portugal. Em 1975 cada portuguesa tinha em média 2,6 filhos; em 2005 esse valor tinha caído para 1,4 e a idade média da mulher na altura do primeiro filho era 28 anos [mais quatro do que 30 anos antes]."

Bárbara Simões, in ' Público '

Claro que as coisas não estão nada boas neste país de merda para se ter muitos filhos para criar e educar. Mas, neste caso, não devem ter contado com os que foram obrigados a ir nascer em Espanha...

9 comentários:

Kaos disse...

O amigo Arrebenta dos “TheBraganza Mothers” lançou-me o desafio para se Iniciar uma corrente de Blogues, subordinada ao tema: "AS DEZ MELHORES IDEIAS PARA CORRER COM ESTES GAJOS RAPIDAMENTE DE CENA!...Uma listagem dos “gajos” pode ser encontrada [AQUI]

Regulamento:
Cada blogue escolhe cinco blogues seus vizinhos, para espalhar a propaganda, referindo a sua origem, "The Braganza Mothers".
O desafio é breve e deve repetir apenas o pontapé de arranque do concurso: lançando a frase escolher "AS DEZ MELHORES IDEIAS PARA CORRER COM ESTES GAJOS RAPIDAMENTE DE CENA!..."
A seu tempo, se abrirá uma caixa de votações, para levar a cabo a ideia.
Propõe-se para data limite o dia 25 de Abril de 2007, único dia em que, durante 100 anos, os Portugueses do séc. XX conseguiram fazer qualquer coisa que se visse.

Se desejares entrar na corrente, estás convidado.
abraço

JPG disse...

Vão parir a Elvas, fica mais barato ao SMS! Nunca me hei-de esquecer destas palavras de um ministro de Portugal!

PORRA!

MPS disse...

Para o ano que vem, o número ainda será mais interessante: como nem todas as terras são Elvas que têm Badajoz à vista, muitas serão as mulheres que voltarão a parir em casa. Não há teste do pezinho que resista!

Ah! É verdade, devo estar equivocada: afinal, leio nos jornais, que onde se encerraram maternidades e outras valências hospitalares, vão abrir hospitais privados (cá para mim devem ser dos da Madre Teresa de Calcutá que nunca pensou no lucro...)!

Por hoje chega de sarcasmo.

Um abraço e bom domingo

Laurentina disse...

Vão parir a espanha e depois se morrerem por lá melhor para o erario publico...cabrões de merda

Boa semana
Beijão grande

Porca da Vila disse...

JPG,

Mal de um país que não consegue criar condições para aumentar, ou pelo menos manter, a sua população.

Um Xi da Porca

Porca da Vila disse...

MPS,

Inteiramente de acordo. Por aqui, em Mirandela, já foi anunciada a construção de uma unidade privada. Que não é certamente para dar prejuízo...

Este Governo anda a contar-nos umas histórias do caraças!

Um Xi da Porca

Porca da Vila disse...

Laurentina,

A esses 'cabrões de merda', como se diz aqui pela Braganzónia, havia de lhes nascer um castanheiro no cú...

Um Xi da Porca

Tortulhas disse...

Tortulhas disse...

Stimada cochinica,

Solo onte, por un acauso, antropecei ne l tou blogue. Gustou-me muito, mormente la anteligença que reçuma de ls testos i l sainete de todas críticas que fais...diç l pobo porqui que "rindo i brincando te las bou atiçando"!
Stá buono de ber que l que más me gustou fúran todos ls cachicos de testos que tenes an Mirandés. Por un lhado, isso quier dezir que l Nordeste ye lido nun solo por Mirandeses, i, por outro lhado, más amportante, que hai pessonas que nun son Mirandesas i que le gusta l Mirandés. Buono, l que amporta ye que tamien botas l Mirandés al barulho...
Tamien te cunfesso que me gustou muito de ber la cuonta de Mário - l çaramouquito - i de Sabel Chicha cuntada de la fin pa l percípio. Fui ua delícia..un lambuxe! Sabes que you bibo an Tortulhas i conheci bien a Mário i a Sabel i, se tu quejires, puodo-te dezir cumo acaba la sue cuonta, la parte que nun bieno ne l jornal. Tu bien le mereces!
Se benires a Miranda tenes ende ua casa a la sposiçon.
Recibe un beijico bien stralhado!

Tortulhas
PS - Scribo-te eiqui, por bias de nun saber muito bien cumo trabalha isto de ls blogues i por bias de pensar que será eiqui que darás más depriessa cumigo.

Porca da Vila disse...

Tortulhas,

Agradeço o teu comentário e mais ainda o facto de teres escrito em Mirandês, língua que apesar de entender sem problemas não sei, infelizmente, escrever.
O gosto pelo Mirandês ficou-me do convívio de vários anos com um antigo colega do Liceu de Bragança que o falava correctamente. Chamava-se Gilberto Lucas e era de São Martinho de Angueira. Não o vejo há mais de trinta anos.
Apesar de ser natural de Bragança e aqui residir, conheço relativamente mal Miranda do Douro, onde fui apenas meia dúzia de vezes, a última das quais há talvez vinte anos. E também não sei bem onde fica Tortulhas, apesar de já ter ouvido falar da ribeira das Tortulhas.
Quanto ao desfecho da história de Mário e Isabel, agradeço a tua disponibilidade. Poderás enviar o texto quando quiseres, pois será publicado com prazer. Clicando no meu nome no 'Braganzónia' vais directamente para o meu endereço de e-mail, que é o seguinte:

porca-da-vila@hotmail.com

'Antropeça' por aqui sempre que queiras.

Um Xi da Porca

Retratos